Insônia: um problema de saúde pública

Além de afetar a vida das pessoas em todos os aspectos, a insônia acaba se transformando em um problema de saúde pública.

Além de afetar a vida das pessoas em todos os aspectos, a insônia acaba se transformando em um problema de saúde pública. O indivíduo que dorme mal, falta mais ao trabalho, produz menos e tem seu rendimento comprometido a ponto de impactar a economia do país. A insônia crônica aumenta os custos de saúde pública, especialmente quando há alguma outra doença associada que requer tratamento prolongado e muitas vezes até internação.

O álcool e os calmantes2

Para muitas pessoas a insônia é um pesadelo e para conseguir dormir, recorrem ao uso de álcool ou calmantes sem acompanhamento médico. Além do risco de se tornar dependente, o uso indiscriminado dessas substâncias pode trazer sérios riscos para a saúde e não resolver o problema. O álcool, por exemplo, em um primeiro momento tem um efeito sedativo, mas de forma geral ele prejudica a rotina do sono.

Isso ocorre porque quando o álcool é metabolizado pelo organismo, o sono vai ficando cada vez mais superficial e, além dos despertares, o indivíduo fica vulnerável ao desenvolvimento da apneia do sono, além de uma série de outras complicações que acabam interferindo na qualidade e no tempo de sono. Se a pessoa foi alcoólatra, mesmo em abstinência, os problemas com o sono irão continuar por muitos anos.

A insônia tem cura?2

Para a felicidade dos insones, sim, a insônia tem cura. O tempo para que isso aconteça vai depender de muitos fatores e pode variar de pessoa para pessoa. Um desses fatores é o diagnóstico e tratamento de alguma doença que possa estar causando a insônia. Outro ponto muito importante é levar a sério as recomendações de higiene do sono e adotar uma mudança de hábitos que favoreça o repouso completo.

Quais médicos tratam a insônia2

De forma geral os médicos que atendem casos de insônia são os psiquiatras, neurologistas, geriatras e clínicos gerais. Mas hoje os insones já podem contar com especialistas em medicina do sono, um campo de atuação que pode ser atrelado a todas as áreas médicas, preparando outros especialistas para conduzir casos de insônia.

Medicamentos para insônia2

As medicações para auxiliar o sono podem ser sugeridas mesmo antes do sucesso ou fracasso da terapia ou tratamento de outras doenças. Hoje, existem remédios específicos que tratam a insônia aguda e outros exclusivos para a insônia crônica, que ajudam nos casos mais graves.

Essas medicações são usadas para induzir ou manter o sono, conforme a necessidade de cada indivíduo e do tipo de insônia. Dependendo do caso, a pessoa pode precisar tomar a medicação por pouco tempo ou por um período mais longo e é aí que entra um fator importante: o acompanhamento médico. Só assim a medicação será usada de forma correta.

Ação dos medicamentos no sistema nervoso2

Os medicamentos que ajudam a dormir são conhecidos como indutores do sono. Eles acionam certas substâncias e áreas do cérebro regulando o desejo de dormir. Alguns são usados para redução dos despertares noturnos; outros para indução do sono, ou para as duas coisas. A maioria deles age no sistema nervoso de forma a baixar o estado de alerta, favorecendo o sono.

A imagem ilustra o local de onde partem os estímulos que nos fazem perder a consciência e dormir e que também controlam nossos movimentos durante o sono.

Porque existem diferentes tratamentos para a insônia?2

Existem tratamentos diferentes porque a insônia nunca é igual de um indivíduo para outro. Uma pessoa pode precisar de um medicamento para depressão e mais um remédio para insônia por exemplo, enquanto outro indivíduo pode necessitar apenas de uma mudança de hábitos. Assim como existem indivíduos em que é necessário tratar um problema pontual de saúde. Atualmente o tratamento mais recomendado é a higiene do sono que ajuda inclusive a controlar o uso de substâncias como álcool e drogas.

Caminhos para boas noites de sono2,3

Se você tem dificuldade para dormir e a falta de sono está prejudicando o seu dia a dia o primeiro passo é buscar ajuda médica. O especialista fará o diagnóstico e irá orientá-lo no tratamento de possíveis doenças que possam estar interferindo no sono. Você também pode investir e atitudes que o ajudem a dormir melhor. Aliadas a bons hábitos de vida as orientações da higiene do sono são excelentes caminhos para noites bem dormidas, que irão contribuir imensamente para seu bem-estar e qualidade de vida.

Referências bibliográficas:

1. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais [recurso eletrônico]: DSM-5/ [American Psychiatric Association; tradução: Maria Inês Corrêa Nascimento ... et al.]; revisão técnica: Aristides Volpato Cordioli ... [et al.]. – 5. ed. – Dados eletrônicos. – Porto Alegre: Artmed, 2014.
2. Pinto Jr L. R., Alves R.C., Caixeta E., et al. New guidelines for diagnosis and treatment of insomnia. Arq Neuropsiquiatr 2010;68(4):666-675.
3. American Academy of Sleep Medicine. International Classification of Sleep Disorders. 3rd ed. Darien, IL: American Academy of Sleep Medicine; 2014.
*Este conteúdo não reflete a opinião da Sandoz do Brasil – BR1811918452 – Novembro/2018

Dra. Rosa Hasan ̶ CRM/SP: 55795

Neurologista – Especialista em medicina do sono.
Coordenadora do laboratório do sono do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP – Universidade de São Paulo.
Coordenadora do Laboratório do Sono da Faculdade de Medicina do ABC.
Responsável pelo setor do Polissonografia do laboratório ALTA – Excelência Diagnóstica.
Trabalha na área de medicina do sono há 15 anos

Home > Cuidados de A a Z > Insônia > Insônia: um problema de saúde pública

13/11/2018