Hiperatividade

13/03/2018

O que é Hiperatividade?¹

A hiperatividade é um estado excessivo de energia que pode ser motora (no corpo) ou mental.
A maior característica dessa condição é o déficit na taxa de dopamina. A dopamina é um neurotransmissor responsável pelo controle de certas funções motoras e pela atenção. A falta de dopamina causa agitação e falta de concentração.
A Hiperatividade é caracterizada pelo déficit do funcionamento de certas partes do nosso cérebro, sendo elas:



1. Cerebelo: responsável pelo controle de certas funções motoras, o que está diretamente relacionado principalmente com a coordenação dos movimentos do corpo humano;
2. Corpo caloso: trata-se do canal de comunicação entre o lado direito e esquerdo do cérebro;
3. Núcleos da base: são estruturas basicamente relacionadas com a movimentação, embora não enviem conexões diretamente para a medula espinhal ou nervos cranianos.


Tipos de Hiperatividade¹

A Hiperatividade possui diferentes graus e tipos caracterizados por:

• Predominantemente desatento: este tipo de hiperatividade caracteriza-se pela dificuldade em prestar atenção e manter a concentração por longos períodos de tempo;
• Predominantemente hiperativo e impulsivo: caracteriza-se pela dificuldade em se manter parado no mesmo local por um longo período de tempo, além disso, ocorrência de dificuldades no momento de pensar nas consequências de sua atitude;
• Predominantemente desatento, hiperativo e impulsivo: este tipo é o mais comum para quem sofre de Hiperatividade. Neste caso, a pessoa sofrerá com todas as dificuldades citadas: falta de concentração, agitação e impulsividade.


Sintomas em crianças²

• Estar sempre inquieto;
• Estar sempre se mexendo (pés e mãos) e tamborilando dedos;
• Sempre se levantar quando é para ficar sentado;
• Ficar correndo, perambulando e falando excessivamente;
• Ter dificuldades em participar de brincadeiras calmas.


Sintomas em adultos²

• Inquietude interna e ansiedade;
• Dificuldade de ficar sentado em reuniões;
• Tendência a ser workaholic, ou seja, viciado em trabalho;
• Falar excessivamente;
• Fumar e/ou beber em demasia.


Diagnóstico²

As causas costumam envolver fatores genéticos somados à fatores ambientais, sendo o diagnóstico fundamentalmente clínico.


Tratamento²

Existem medicamentos para tratar a Hiperatividade, mas eles variam conforme o diagnóstico estabelecido pelo médico. Por isso, somente um especialista capacitado poderá dizer qual o tratamento indicado.



Prof. Dr. Rodrigo Rizek Schultz - CRM-SP 80.201
Coordenador do Ambulatório de Demência Grave do Setor de Neurologia
do Comportamento da Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP
Diretor Científico da Associação Brasileira de Alzheimer - Abraz Nacional
Professor de Neurologia da Disciplina de Clínica Médica da Universidade de Santo Amaro – UNISA


*Este conteúdo não reflete a opinião da Sandoz do Brasil
Fevereiro/2018 - BR1803786167

Fontes - Acesso em fevereiro de 2018:
1. http://www.saudementalrs.com.br/hiperatividade/
2. http://www.minhavida.com.br/saude/temas/hiperatividade